quarta-feira, 8 de julho de 2009

Pós-impressionismo (parte 7)

O termo pós-impressionismo designa um grupo de artistas que, formados no seio do Impressionismo, reagiram contra este movimento. Separaram definitivamente a pintura da representação mimética da natureza acentuando-a nos seus valores específicos – a cor a e a bidimensionalidade. A arte já não servia para materializar impressões, mas era antes a expressão de sentimentos, energias e tensões. A pintura devia recorrer á acentuação da forma e à vibração intensa e dramática da cor, de modo a traduzir as tensões e os sentimentos inerentes à própria vida

Van Gogh (1853-1890) foi o pintor da angústia da vida, da genialidade e da loucura. Definiu uma pintura cujas referências foram fundamentais para a formulação do Expressionismo. O valor simbólico que conferiu à cor, a técnica energética do empastelamento das tintas, o valor autónomo da linha e a vibração que agita os volumes e o espaço traduziram-se numa obra carregada de emoção, angústia e subjectividade.

Título da obra: L’église de Auvers-sur-Oise; Data: 1890; Dimensão: 94 cm x74 cm; Técnica: óleo sobre tela; Local: Museu d’Orsay

Título da obra: Starry night; Data: 1889; Dimensões:73 cmx 92 cm; Técnica: óleo sobre tela; Local: Museu de Arte Moderna de Nova Iorque

Link: http://www.abcgallery.com/V/vangogh/vangogh.html

http://www.youtube.com/watch?v=XemweIAvi8Q

Fonte:

http://209.85.229.132/search?q=cache:zP2VU1ZcOk4J:namoraprojectos.pbworks.com/f/pós-impressionismo_Helenamadureira.pps+Os+pós+impressionistas:+Gauguin,+Van+Gogh,+Cezanne&cd=16&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt


Sem comentários:

Enviar um comentário