sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Para reflectir

Há poucos dias recebi de uma amiga, através do mail, o texto que transcrevo e que me agradou bastante. Está escrito à boa maneira brasileira,um pouco diferente, mas não importa: é português e a mensagem passa.


Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:

Seu marido fá-la feliz? Ele a faz feliz realmente?

Nesse momento, o marido levantou o pescoço, demonstrando total segurança.

Ele acreditava que ela diria que sim, pois ela jamais havia reclamado durante o casamento.

Ela calmamente respondeu:

Não, o meu marido não me faz feliz!

O marido simplesmente afundou na cadeira.

Meu marido nunca me fez feliz e nem me faz feliz! Eu sou feliz.

E continuou:

A felicidade não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu é que escolho ser feliz em cada situação, em cada momento da minha vida. A minha felicidade não pode depender de cada pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, senão eu estaria com sérios problemas.

Tudo na vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental... Eu poderia citar uma lista interminável.

Eu decido ser feliz! Se minha casa está vazia ou cheia: sou feliz! Se saio acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se meu emprego é o ideal ou não: eu sou feliz! Sou casada, mas também era feliz quando estava solteira. Eu sou feliz por mim mesma.

As coisas, pessoas, momentos e situações são experiências que me proporcionam momentos de alegria e de tristeza. Quando alguém que eu amo morre, eu sou uma pessoa feliz passando por um momento de inevitável tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar.

Tem gente que diz: não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque meu marido não é o que eu esperava, porque meus filhos não me fazem feliz, porque meus amigos não me fazem feliz, porque meu emprego é uma droga, porque faz muito calor e por aí vai.

Amo a vida que tenho mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. Ela não é.

É porque eu decidi ser feliz e me responsabilizar por essa felicidade. Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregarem nos ombros. A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento feliz ao longo desses anos.

Nunca deixe nas mãos dos outros a responsabilidade da sua felicidade!

SEJA FELIZ, apesar dos pesares.

Mas se um dia decidir pedir algo externo a você peça apenas serenidade, para aceitar as coisas que você não pode mudar, coragem, para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria, para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas.


Sem comentários:

Enviar um comentário