sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010


Alexander Calder

(Filadélfia, 1898 - Nova Iorque, 1976)






Escultor norte-americano. Inicialmente estuda Engenharia Mecânica e, a partir de 1922, Arte. Em 1926 muda-se para Paris e começa a realizar pequenas figuras ridículas de arame de tema circense, que expõe no Salão dos Humoristas de 1927. A sua obra escultórica caracteriza-se, desde o início da sua carreira, pela ausência de pretensões e por uma poesia humorística. Pouco depois (1931) inclina-se para a arte abstracta, pinta alguns quadros (Composition) e realiza diversas esculturas, entre elas trinta mobiles (o nome de mobile é de Marcel Duchamp) que apresenta numa galeria parisiense em 1932. A partir de então começa a ser conhecido pelo grande público. Ao longo de toda a sua obra, Calder desenvolve um lirismo quase infantil sem se ver limitado por nenhum pré-julgamento de escola, o que pode ser apreciado em alguns dos seus mobiles mais famosos, como o do edifício da UNESCO em Paris. Idênticas características apreciam-se nos seus cenários teatrais, jóias, personagens de estuque, «constelações» de madeira e ferro e, nas suas esculturas da última época, as denominadas «setas». É autor, além disso, de pinturas esquemáticas de grande colorido e de mobiles espectaculares, como a fonte do aeroporto de Barcelona.

http://www.vidaslusofonas.pt/alexander_calder.htm



Sem comentários:

Enviar um comentário